Início > Análises > [Livro] O Hobbit

[Livro] O Hobbit

Título: O Hobbit ou Lá e de Volta Outra Vez (The Hobbit or There and Back Again)
Autor: John Ronald Reuel Tolkien
Editora: Martins Fontes

“O mundo está dividido entre aqueles que já leram O Hobbit e O Senhor dos Anéis e aqueles que ainda não leram.”

– The Sunday Times

Claro que o mundo também poderia ser dividido entre aqueles gostam da cor azul e aqueles que não gostam, entre aqueles que tomaram leite hoje de manhã e aqueles que não tomaram, entre homens e mulheres e assim por diante. Lembro que comecei a lê-lo a uns 8 anos atrás, mas acabei parando bem num capítulo bastante famoso, o Advinhas no Escuro, em que Bilbo Bolseiro consegue botar as mãos no famoso Um Anel. Felizmente esse ponto de parada me permitiu continuar de onde parei, mas não me lembro tão bem do que aconteceu antes disso, mas mesmo assim é bom terminar uma pendência.

A história começa com Bilbo recebendo a visita de Gandalf, o mago, convidando-o a participar de uma aventura na companhia de 13 anões: Dwalin, Balin, Kili, Fili, Dori, Nori, Ori, Oin, Gloin, Bifur, Bofur, Bombur e Thorin Escudo-de-Carvalho. Eles pretendiam reclamar para si o tesouro da montanha solitária, antigo reinado dos antepassados de Thorin e que agora estava sob o domínio do dragão Smaug. Não lembro como que o pacato e caseiro hobbit Bilbo aceitou participar, mas o fato é que a aventura acontece, envolvendo elfos, orcs, trolls, ursos, aranhas, homens e dragões.

Gostei muito do livro. Talvez por esperar que ele fosse muito chato, ou que ele fosse mais infantil, visto que, como dizem, o livro teria sido escrito para os filhos de Tolkien. Mas eu já li muitos livros adolescentes, ou mesmo adultos, mais imaturos que este livro “infantil”. Claro que existem momentos cômicos e infantis, normalmente provocados pela companhia de anões atrapalhados. Mas a narrativa é fluida, muitos problemas são resolvidos pela astúcia e raciocínio, momentos de tensão ocorrem, egos se inflamam, e dúvidas surgem. A aventura é longa e penosa, e se o grupo fica sem comida eles passam fome, se ficam no descampado de noite eles passam frio, se encontram monstros eles ficam com medo. Nada de soluções mágicas mirabolantes, nada de poupar a realidade ou exagerar na magia. Protagonistas mudam, protagonistas fracassam, protagonistas morrem e não voltam á vida por mágica no final.

O livro não se prende ao caminho óbvio.

Quem você acha que matou o dragão?

Categorias:Análises Tags:,
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: