Início > Análises > [Livro] O clube dos Suicidas

[Livro] O clube dos Suicidas

Título: O Clube dos Suicidas (The Suicide Club)
Autor: Robert Louis Balfour Stevenson
Editora: Rocco (?)

Não lembro exatamente a editora do exemplar que li, mas como a capa era muito parecida com essa tenho quase certeza que ele também era da Rocco. Um livro inusitado do engenheiro civil escocês que ficou famoso por escrever nada menos que livros como A Ilha do Tesouro e Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde (aka: O médico e o monstro). Este livro é uma coleção de pequenas histórias de detetive e aventura, 3 delas para ser mais exato, que na verdade são tão interligadas que acabam sendo mais como 3 capítulos de um mesmo livro, bastante curto e divertido (alerta: pode conter spoilers).

Tudo começa com algo bem comum em histórias: O príncipe Florizel da Boêmia acompanhado por seu fiel amigo, o coronel Geraldine, saem disfarçados pela noite da cidade em busca de algo que interrompa seu tédio. Até aí um grande clichê. Os dois estavam em um bar até que algo inusitado acontece, quando um homem chega acompanhado por dois servos que carregavam dois grandes cestos cheios de tortinhas de creme gratuitamente para todos os que encontrasse, enquanto comia a torta oferecida àqueles que rejeitavam a oferta. Os dois conversam com o homem e resolvem acompanhá-lo em sua intrigante demanda. Não demora muito até que todas as tortas fossem comidas. O homem das tortas responde que estava fazendo aquilo para se livrar de quase todo o resto de suas economias, salvo 40 libras, após sofrer algumas decepções com a vida (principalmente amorosas).

“40 libras e uma grande vontade de morrer” era a taxa de inscrição para um clube de seletos cavalheiros que haviam o desejo de encerrar seus assuntos mas que não tinham culhões para encarar a iniludível com seus próprios olhos. Após algum esforço para se associarem e algum tempo de espera, o grande momento da noite: o presidente do clube distribui cartas a todos os presentes, uma delas significava a vítima da noite, outra o carrasco (se não me engano são às de espadas e às de paus, respectivamente). O presidente dá instruções claras de como cada um deve proceder, de forma que nenhuma suspeita seja gerada e o clube permaneça no anonimato. Nesta primeira noite, o jovem das tortas de creme é indicado para ser o algoz de um velho homem.

Aquele tipo de clube deixa o príncipe e o coronel horrorizados, e eles fazem um juramento de acabar com o clube. Não foi algo demasiadamente difícil, e no final o clube é desmantelado e o presidente é deportado para a frança sob a custódia do irmão do coronel, um grande atirador.

Assim acaba a história do jovem com as tortinhas de creme. A seguir somos apresentados à história do médico e o baú de saratoga, que narra a viagem de um turista americano para a frança, e que depois de ser enganado por uma mulher, sai do seu quarto do hotel por alguns instantes e quando volta dá de cara com um corpo deixado na cama do quarto. Um médico bastante inusitado o ajuda com aquela situação, colocando o corpo dentro do grande baú que o homem possuía e o instruindo a seguir viagem junto com um príncipe (garantindo que sua bagagem não fosse checada), e lá ele receberia novas instruções. Uma vez em Londres, o príncipe descobre que aquele corpo dentro do baú era o corpo do irmão de seu amigo coronel. A história se torna mais densa agora que o presidente havia anunciado sua liberdade de uma forma macabra.

A última história é sobre um ex-tenente que vaga pela noite chuvosa até ser convidado por um cabriolé, que depois de perguntar para onde deveria ir, recebe a resposta “qualquer lugar”. E ele vai. Rapidamente chegam a uma mansão onde estavam vários outros cavalheiros, chegando e saindo. A medida que a noite passa, o ambiente se torna mais vazio até restarem apenas 5. O anfitrião revela ser o coronel Geraldine e diz que precisava de homens dispostos a enfrentar uma situação altamente arriscada. Apenas 2 sobram, e estes são convidados a se infiltrar numa mansão e efetuar uma emboscada. Não é difícil imaginar que está envolvido nessa tensa situação…

No final minha resenha acabou ficando grande para um livro tão curto… Mas o livro é de uma leitura extremamente fácil e agradável algo que mesmo eu consegui fazer em menos de uma semana, talvez menos de meia semana, não me lembro ao certo. Talvez a única ressalva seja de que o tal Clube dos Suicidas parecesse mais um clube de assassinos/vítimas aleatórios visto que as pessoas estavam ali justamente por que não tinham o necessário para se suicidar; um clube em que você passava sua noite na agradável companhia de outras pessoas e no final dela corria o risco de ser assassinado ou de assassinar alguém e, quem sabe, resolver seus problemas.

Ele não seria obrigado a fazer isso se tivesse 40 libras

  1. Dimas (Goiânia)
    17/10/2013 às 11:25 am

    “Aquele tipo de clube deixa o príncipe e o coronel horrorizados, e eles fazem um juramento de acabar com o clube”.
    Acabei de ler a primeira parte, em uma edição da Cosacnaify. Na realidade apenas o coronel fica horrorizado e quer acabar com o clube. O príncipe fica horrorizado, mas também fascinado e volta no dia seguinte, obrigando o Coronel a voltar com ele. Somente após ser escolhido pela carta, (ás de espadas), é que o príncipe se dá conta da enrascada em que se meteu. E somente pela intervenção do coronel, que contrariando as ordens do príncipe, dá fim ao clube, é que ele não é ‘executado’.
    No mais, uma bela resenha.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: